Tag Archives: plateia

Dança do punhal

11 ago

Há controvérsias quanto à origem da dança do punhal, ainda mais porque não existem muitos estudos a respeito e sim crendices pela internet. Alguns dizem que a preferida do sultão dançava com este acessório para mostrar que era superior às outras mulheres do harém, enquanto outros falam de uma história mais sombria relacionada aos bordeis da Turquia.

Nesta versão, diz-se que entre 1600 e 1700, os ciganos raptavam as europeias porque elas tinham o corpo e rosto bonitos e as trancafiavam em bordeis onde seriam desposadas após uma disputa entre os homens que usavam o punhal nas lutas. Depois da luta, ele era enterrado no chão para que as energias negativas da luta fossem sugadas pela terra.

Há uma outra versão que conta que os mouros também raptavam mulheres a mando do sultão para aumentar o harém.

A bailarina Shahira Burkan acredita que muitas mulheres eram forçadas a dançar para o público e escondiam o punhal no corpo para poderem se defender, caso algum homem exigisse uma intimidade.

Além disso, o punhal era muito usado pelos ciganos para abrir matas o que aderiu a simbologia de superação e pionerismo ao instrumento. Os egípcios relacionam esta dança com a deusa Selkis, símbolo da morte e da transformação, mas é também tida como símbolo do sexo por causa das odaliscas do sultão.

O punhal é considerado uma arma branca e possui uma lâmina curta. Claro que, atualmente, esta lâmina não é mais cortante já que é um acessório para dançar.

Normalmente, a bailarina entra com ele escondido em alguma parte da roupa e no meio da coreografia, revela o acessório. Há alguns significados ao colocá-lo em determinadas partes do corpo.

Por exemplo, no peito demonstra amor. No meio dos seios, com a ponta enfiada no decote, significa sexo. Na testa com a ponta para baixo é magia, já com o punhal na horizontal representa assassinato. Nos dentes e no ventre é destreza e desafio.  Entre as duas mãos e com movimentos sinuosos é uma homenagem a quem está na plateia. Segurá-lo com a ponta para fora da mão  demonstra a liberdade da bailarina, enquanto a ponta para dentro indica que ela está comprometida. Se a bailarina bater o punhal na bainha, é como se fosse um chamado para a dança.

Na hora de escolher a música, nada de derbakes, folclore ou as mais animadas. Escolha uma mais tranquila com um certo ar de mistério. O ritmo é livre, mas lembre-se de manter as características desta dança.

Não existe uma roupa específica para dançar com o punhal, mas é levado em consideração a cor usada. Por exemplo, o preto simboliza a justiça e o elemento que absorve a energia negativa e a transforma em algo bom. O roxo é a cor da realeza que conecta a bailarina aos planos espirituais, como se ela traçasse o seu próprio destino. E o azul aponta o domínio dos espíritos ao mesmo tempo que mostra quietude e confiança.

Escolher um vídeo para ilustrar este post não foi uma tarefa fácil. Por isso, deixamos aqui a bailarina Kayra em um solo bem sensual da música Yearning de Raul Ferrando, durante uma apresentação em Fuengirola, no festival “Andalusian Passion”, realizado em 2008.

No nosso canal do Youtube, você pode conferir um grupo dançando e uma apresentação cênica de Shirley Suheil, com direito a participação de um sultão.

Veja + Acessórios de dança
Véu Fan
Véu duplo
A dança da espada
Dança com pandeiro
A delicadeza das tacinhas
Dança do jarro
Bengala ou bastão
Os snujs
O véu na dança do ventre

Mahira Hasan (Público)

6 ago

Uma das grandes dificuldades que podemos encontrar quando vamos dançar é saber para onde olhar e para quem dançar, principalmente quando fazemos um solo.

Por isso, escolhemos um vídeo da Mahira Hasan, bailarina e professora, para ilustrar o tema e para estudarmos como ela consegue dançar para todos os públicos com graça e leveza.

Uma dica é passear pelo palco. Não a música inteira, mas em alguns momentos, principalmente no início da coreografia para que todos vejam que você chegou e que sabe que eles estão ali.

Dedique alguns movimentos a um lado específico, volte para o meio e vá para o outro lado. Você pode, por exemplo,  dançar em alguns momentos na diagonal e, enquanto seu corpo está voltado para frente, seu rosto está para o lado.

Repare que a Mahira não apenas dança cada hora para um dos públicos, como também procura manter contato visual com a plateia. Isso é fundamental, ainda mais quando a apresentação é em lugares menores, como em um bar ou restaurante, e no chão.

Lembre-se de sempre sorrir bastante e faça gracinhas para quem está assistindo. Assim, a dança fica dinâmica, delicada e você agrada todos que estão prestigiando você.

Veja + Videoteca
Suhaila Salimpour (interpretação)
Sadie (dissociação corporal)
Amir Thaleb (homens na dança do ventre)
Sonia (derbake)
Romina (improvisação)
O que destacar da música na hora de dançar
Saida (baladi)
Coreografia em grupo
Jillina (pop)

%d blogueiros gostam disto: