Tag Archives: música

Videoteca: Taqsim (Nagwa Fouad e Lulu Sabongi)

1 out
A videoteca desta semana está mais do que especial. Selecionamos um tema importantíssimo para estudar, o taqsim. Além disso, daremos referências aos diversos outros conteúdos que já exploramos em posts antigos. Prepare-se para muita informação!

O taqsim (taksim) é uma improvisação melódica, um solo de um instrumento durante uma música. Pode ser acompanhado de um ritmo de base, a exemplo do Wahda wa noss e Chiftetelli. Pode ter ou não métrica e aparece em composições árabes, turcas, gregas e de países do Oriente Médio.

Nestes trechos, a bailarina precisa acompanhar com extrema perfeição o som do instrumento, transmitindo pelo seu corpo as variações de velocidade, tensão e  notas. Por isso, é preciso conhecer em detalhes a música e é fundamental ter muita sintonia com o músico, caso a apresentação seja ao vivo. Evite marcar o ritmo e priorize a melodia, com toda a sinuosidade e leveza.

Muitas pessoas consideram o taqsim uma conexão com o mundo espiritual. É um momento introspectivo. Quando bem feito é um dos pontos mais altos de uma apresentação.

Para ilustrar este tema, selecionamos um vídeo da lindíssima Nagwa Fouad, que já apareceu em uma biografia do Cadernos, no qual ela explora o taqsim em acordeão, tabla e kanoon.

Existem solos de taqsim dos mais diversos instrumentos, como o de violino, kanoon, alaúde, acordeão, nay, rababa, teclado e assim vai. Cada instrumento exige um tipo de movimento diferente. Por exemplo, o violino pede ondulações e, dependendo da extensão da nota, tremidinhos suaves. Já o kanoon exige um pouco mais dos tremidos, em especial quando combinados com outros passos. De qualquer forma, lembre-se de ficar centrada entre os públicos e de explorar movimentos com muita técnica e pouco deslocamento.

Por fim, fica uma dica bem interessante para quem quer aprender mais sobre o tema. O volume VI da série “A Arte da Dança do Ventre”, da Lulu Sabongi, é exclusivamente sobre a construção de um taqsim. No vídeo abaixo, Lulu fala especialmente dos tremidos em trechos de taqsim. Concentre-se, prepare o corpo e a cabeça para estudar bastante e comece a treinar!


Veja + Videoteca aqui

Acordeon

17 ago

O acordeon é muito famoso por ser utilizado nos tangos. Mas engana-se quem pensa que é exclusivamente da cultura argentina. Diz a lenda que um imperador chinês do século 3.000 a. C pediu a um estudante que criasse uma forma de imitar o som de um pássaro. O jovem então inventou o Cheng, instrumento com 13 a 24 palhetas de bambu que reverberavam em uma cabaça. Outros instrumentos que usavam o mesmo princípio foram elaborados no Egito e na Grécia.
O acordeon foi elaborado pelo austríaco Cyrillus Damian, em meados de 1829, mas somente 20 anos depois recebeu os teclados que conhecemos. Depois de ser difundido pela Europa por volta de 1770, principalmente nas festas nas aldeias, chegou ao Brasil no século XIX, trazido pelos imigrantes italianos. Possui as teclas, do lado direito, e botões, que podem variar entre 12 (infantis) e 140, do lado esquerdo. Porém, no chamado acordeon cromático há botões dos dois lados. No meio fica o fole, responsável por controlar a duração e outros efeitos das notas.
Na música árabe, foi introduzido na década de 40, quando recebeu uma nova afinação e passou a integrar orquestras. Você já deve ter percebido que é raro encontrar um solo de acordeon, com exceção das músicas libanesas. É o caso do libanês Alex Menakian, um dos melhores instrumentistas de acordeon, que fez inclusive interpretações de taksins. Há registros de criação e composições para o instrumento na Turquia, Israel e Armênia. Nos anos 80, este belo instrumento começou a ser substituído por efeitos Midi de órgãos imitando sua sonoridade.

Acordeon, sanfona, gaita de fole, realejo e concertina. Não consegue entender como todos podem ter sons tão diferentes? Bom, o princípio é o mesmo, o que muda é a afinação, já que na música árabe o acordeon é usado na escala maqam, diferente da escala usada no ocidente por ter os quartos (1/4) de tom. Acompanhe no vídeo a execução de um solo de acordeon. Veja como a bailarina trabalha ora o ritmo, ora a melodia do instrumento.

O acordeon é muito famoso por ser utilizado nos tangos. Mas engana-se quem pensa que é exclusivamente da cultura argentina. Diz a lenda que um imperador chinês do século 3.000 a. C pediu a um estudante que criasse uma forma de imitar o som de um pássaro. O jovem então inventou o Cheng, instrumento com 13 a 24 palhetas de bambu que reverberavam em uma cabaça. Outros instrumentos que usavam o mesmo princípio foram elaborados no Egito e na Grécia.

O acordeon foi elaborado pelo austríaco Cyrillus Damian, em meados de 1829, mas somente 20 anos depois recebeu os teclados que conhecemos. Depois de ser difundido pela Europa por volta de 1770, principalmente nas festas nas aldeias, chegou ao Brasil no século XIX, trazido pelos imigrantes italianos. Possui as teclas, do lado direito, e botões, que podem variar entre 12 (infantis) e 140, do lado esquerdo. Porém, no chamado acordeon cromático há botões dos dois lados. No meio fica o fole, responsável por controlar a duração e outros efeitos das notas.

Na música árabe, foi introduzido na década de 40, quando recebeu uma nova afinação e passou a integrar orquestras. Você já deve ter percebido que é raro encontrar um solo de acordeon, com exceção das músicas libanesas. É o caso do libanês Alex Menakian, um dos melhores instrumentistas de acordeon, que fez inclusive interpretações de taksins. Há registros de criação e composições para o instrumento na Turquia, Israel e Armênia. Nos anos 80, este belo instrumento começou a ser substituído por efeitos Midi de órgãos imitando sua sonoridade.

Acordeon, sanfona, gaita de fole, realejo e concertina. Não consegue entender como todos podem ter sons tão diferentes? Bom, o princípio é o mesmo, o que muda é a afinação, já que na música árabe o acordeon é usado na escala maqam, diferente da escala usada no ocidente por ter os quartos (1/4) de tom. Acompanhe no vídeo a execução de um solo de acordeon. Veja como a bailarina trabalha ora o ritmo, ora a melodia do instrumento.


Veja + Instrumentos
Violino
Mijwiz
Kanoon
Alaúde
Derbake, tabla ou doumbek
Rababa
Mizmar
Snujs

Masmoudi

26 jul

Você se lembra do ritmo Baladi? Pois bem, o Masmoudi lembra muito a composição deste ritmo quando tocado de forma lenta. Algumas fontes afirmam que é da Andaluzia, enquanto outras indicam que deriva da palavra “masmouda”, nome de uma região ao oeste de Marrocos. A tradução literal se refere a algo que se assemelha a uma base ou suporte, talvez por isso seja tão utilizado e apresente muitas semelhanças com outros ritmos.

Composição
Sua forma básica é de 8/4 tempos e é chamada de Masmoudi Kebir ou Grande Masmoudi (Masmoudi três DUMs). Quando este ritmo é tocado com tempo 4/4 é chamado de Masmoudi Saghir, Pequeno Masmoudi (Masmoudi dois DUMs). A notação gráfica é assim:

Masmoudi Kebir
DUM DUM TAKA TAKA TA DUM TAKA TAKA TA TAKA TAKA TA

Masmoudi Saghir
DUM DUM DUM TAKA DUM TAKA TAKA TAKA TAKA TA
ou
DUM DUM DUM TAKA DUM TAKA TAKA

Em resumo, repare que o ritmo é composto por duas frases de quatro batidas.

Características
O ritmo aparece em músicas clássicas, modernas e até em tribais e gawazzees. Na sua versão Kebir é longo, de oito tempos, e é mais utilizado em solos e em clássicas. É também conhecido como Masmoudi de Guerra, pois sua cadência é considerada mais agressiva. Desta forma, a velocidade diminui e a música fica com mais variações. Já o Masmoudi Saghir, é também conhecido como Masmoudi Caminhando, por ser um ritmo mais fluido.

Como treinar
Como se trata de um ritmo longo, você pode começar treinando a primeira frase e depois a segunda, separadamente. Aos poucos, treine a união de ambas, tocando sem parar a ligação. Acompanhe as duas versões que selecionamos para este post e comece a praticar.

Dicas de passos
Na versão mais lenta é possível usar desde batidas laterais, para marcar com ênfase os DUMs e twists, até ondulações. Já na outra versão, você pode fazer deslocamentos com básicos egípcios para frente e atrás e marotos.

*Faixas do CD Jalilah’s Raks Sharki Vol 4

Veja + Ritmos
Jerk
Maksoum
Bolero
Malfuf
Baladi
Ayub
Said

%d blogueiros gostam disto: