Tag Archives: improvisação

Maual

25 jan

Um elemento fundamental da cultura e música do Oriente Médio é o canto. Por isso, hoje vamos estudar um pouco do maual (mahual).

O canto pode ser feito por mulheres, homens ou por coros. Porém, ainda há locais em que há preconceito com as cantoras. No entanto, nomes como Oum Kalthoum (breve biografia). Ultrapassaram estas barreiras, impondo-se como vozes essenciais destas culturas.

O maual, por exemplo, é uma improvisação vocal. A pessoa intérprete trava um verdadeiro diálogo com a orquestra. Ora a acompanha, ora é seguido pelos músicos. É uma forma bastante interativa, que exige muita integração entre músicos e cantores. O maual também pode ser antecedido por um taqsim.

Ansuya

19 ago

Esta americana, nascida na Califórnia, é conhecida como mestra da improvisação, interpretação, leitura musical, dos snujs e das roupas maravilhosas.

Filha da bailarina Jenaeni, bailarina famosíssima na década de 60, Ansuya  já brilhava desde os quatro anos nas apresentações anuais de sua mãe. Mas a influência na sua dança também teve participação do seu pai indiano. Por causa dele, acrescentou um certo misticismo em suas apresentações, alguns acessórios indianos na sua roupa e de certa forma o seu quadril mexe com algumas técnicas desta dança.

Sua fama não para por aí. Além de ter sido modelo no Japão por algum tempo, ela treinou com atrizes famosas, já interpretou uma personagem na soap opera “Days of our Lives” e participou de seriados em Hollywood como “The Nanny”, “Vip” e “Jack and Jill”.

Ela também dançou durante o show de Jim Jay e ficou conhecida quando apareceu em comerciais do canal Fox e da marca Toshiba. Mas vamos voltar à sua dança.

Movimentos fortes e grandes, sensuais e bem inovadores marcam presença quando Ansuya se apresenta. Básico egípcio, tremidinhos com o peito e altos cambrês são uns dos passos que ela mais executa.

Ansuya gosta de muitos giros, mexer o cabelo enorme e também tocar snujs.  Veja nosso post sobre os snujs, é claro que a usamos como modelo. Aliás, ela  lançou alguns dvds instrutivos que ensinam a tocá-los.

Suas músicas geralmente são modernas, com toque ocidentais, como rappers americanos cantando ao ritmo árabe.

Suas roupas costumam ser de duas peças, com um cinturão para lá de carregado de moedas e a saia possui diversas pontas que causam um efeito lindo quando gira.

Ansuya gosta de acessórios, por isso, colares, brincos, faixa na cabeça são sempre usados em sua dança.

Ela viaja mundo a fora ministrando workshops e seminários e já ganhou IAMED como bailarina do ano, o mesmo prêmio da Jillina, e três vezes o Globo de ouro da dança do ventre. Fez parte do grupo Bellydance Superstars, no qual dançava como solista e participava da montagem de coreografias.

Separamos um vídeo no qual ela dança um poderoso derbake. Assista

Caso queira ver ela com seus inseperáveis snujs, acesse nosso canal no youtube.

Veja + Bailarinas
Nagwa Fouad
Rachel Brice
Samia Gamal
Amar Gamal
Tahia Carioca
Jillina
Fifi Abdo, a menina baladi
Petite Jamilla
Soraia Zaied

Jillina

8 jul

Com vocês: Jillina

Ganhadora de vários prêmios da IAMED (International Academy of Middle Eastern Dance – responsável por premiar as melhores bailarinas) e da Giza Academy como “Melhor Bailarina de Egípcio Moderno”, “Melhor dvd instrutivo” e “Bailarina do Ano”, Jillina sempre dançou, desde pequena. No início era hip hop, jazz e ballet e assim que conheceu a dança do ventre não demorou para dominar as técnicas e passos e fazer um mix de estilos para criar o seu próprio original. “Eu fiquei obcecada com essa dança, com a música, movimentos e toda a sua expressividade”, declara em entrevista ao site Oriental dancer (em inglês).

Jillina fundou em 1999 a Companhia Sahala Dancers de Los Angeles, na Califórnia. A partir daqui, esta bailarina provou que queria levar a dança do ventre para um outro nível. É uma escola de alto padrão que exige que todos os membros tenham treinamento intensivo em ballet, jazz, hip hop, dança de salão, folclore, dança oriental e moderna, sem contar as habilidades para cantar, atuar e montar coreografias desenvolvidas durante o curso. Não é à toa que seu grupo é um dos mais prestigiados nos Estados Unidos e em grande parte do mundo.  Veja abaixo uma apresentação com o grupo.

Mas ela não parou por aí. Todo ano viaja para o Egito para aperfeiçoar a sua técnica e também visita vários países com seus seminários e shows. Já veio diversas vezes para o Brasil e em novembro de 2010 estará de volta pela escola Luxor de Dança do Ventre. E ainda produziu 9 dvds instrutivos traduzidos em cinco línguas, atualmente.

Desde 2003, é coreógrafa do grupo The Bellydance Superstars e, em 2009, dançou pela primeira vez como bailarina convidada no maior festival de dança do ventre do mundo: Ahlan Wa Sahlan, no Egito. Se você pensa que a biografia dela parou por aqui, está enganada, pois nós aqui do Cadernos temos certeza de que ela ainda vai brilhar e muito.

Neste vídeo, extraído do dvd “Shape up and hip out”,  vemos em um mix entre pop, moderno e clássico.

Como dançar como a Jillina? Referências. Assista muitos vídeos, vá a shows de diversos estilos de dança, mas na hora de montar a sua coreografia use passos simples como básico egípcio, giros, camelos e batidas laterais. Note que é assim que ela dança: é a combinação que encanta. As músicas geralmente são pop, mas ela arrasa nas músicas clássicas e no derbake com as marcações perfeitas de quadril e tremidinhos de dar inveja. Aproveie o vídeo para pegar algumas dicas.

Preste atenção em como ela mistura  diversos estilos e brinca com ritmo e melodia da música. Nós aqui do Cadernos procuramos nos inspirar nela ao montar coreografias e partir para o improviso, claro. Note que as coreografias parecem complicadas, mas os passos dela são simples. É a combinação que encanta. Aproveite.

Jillina estreou a Videoteca do Cadernos. Confira aqui ela dançando o estilo Pop.
Conheça o site dela (em inglês) – Jillina.com

Veja + bailarinas
Fifi Abdo, a menina baladi
Petite Jamilla
Soraia Zaied

%d blogueiros gostam disto: