Tag Archives: Grécia

Cocek ou Serto

8 nov

Como já vimos várias vezes aqui no Cadernos, um ritmo pode receber diversas nomenclaturas. É também o caso do ritmo desta semana, originário da região dos Balcãs.

É conhecido como Cocek onde antigamente era a Macedônia e como Serto, na Grécia. Já na Bósnia e na Albânia, é chamado de Usul Derveshi. São, além disso, nomes de danças. Assista a este vídeo no YouTube e saiba um pouco de como é esta dança de origem cigana.

Características
Muito utilizado em danças folclóricas e casamentos, em especial entre os ciganos. Por isso, é comum em músicas da Romênia e da Turquia, bem como na Grécia, como já foi dito.

Composição
Este é um ritmo 4/4 ou 8/8 e a sua forma base é: DUM TATA TATAKA

Apesar de serem considerados o mesmo ritmo, algumas pessoas afirmam que há diferenças de cadência entre o Cocek e o Serto. O primeiro seria tocado com espaços, semelhante às pausas, enquanto o segundo seria um pouco mais acelerado, com variações maiores de tempos e acentuação.

Como tocar
Siga o mesmo esquema de todos os outros ritmos. Segure os snujs, com uma mão toque o DUM e o KA, com a outra, o TA. Outra opção é marcar o DUM com as duas mãos.

Dicas de passos
Não é muito fácil encontrar bailarinas marcando estes ritmos. Porém, descobrimos que tanto o Cocek quanto o Serto são encontrados em fusions, como aparece neste vídeo. Nos poucos materiais que pudemos localizar, reconhecemos batidas de quadril, twists e marotinhos. Redondinhos de quadril com shimies também são comuns. Em algumas regiões, o Cocek está estritamente relacionado ao intenso movimentar dos quadris, clique aqui e assista.

Veja + Ritmos aqui

Karsilama

25 out

Karsilama significa “cara a cara”, isso porque a palavra afina-se com uma dança homônima da Turquia. Foi levada para a Grécia por imigrantes e lá se tornou a Zeybekikos. Nela, duplas dançam juntas fazendo quatro passos fortes e marcados. Em geral, é executada pelas Cengis, ciganas turcas, que giram suas sais e usam pandeiros como acessórios complementares.

Existem dois tipos. A dança Karsilama urbano, semelhante à dança do pandeiro, porém, o acompanhamento musical usa exclusivamente o ritmo homônimo e suas variações floreadas. Já a Karsilama é uma mistura de dança Sule Kule com a dança do ventre que conhecemos. Veja no YouTube como é a dança, em uma versão para palco e outra mais tradicional.

Características
Este ritmo é pouco comum na música ocidental. É composto por um compasso também raro 9/8, além de possuir três TAS fortes no final da frase musical. Também é chamado de “aqsaaq”, cuja tradução é “aquilo que marca” ou “quebrado”.

Composição
Repare nos TAS característicos ao final da forma grafada. A sua versão base é assim: DUM TAK DUM TATATA
Uma outra forma, mais completa e floreada é esta: DUM TAKATA TAKA DUM TATATA

Como treinar
Comece a tocar os snjus pela frase simples. Lembre-se  os DUMs, TAKs e TAs toque com a sua mão principal (varia para destros ou canhotos) e os e KAs com a outra. Ou então marque os DUMs com as duas mãos, enfatizando que são mais fortes. Treine o ritmo puro, com a ajuda de um CD e depois tente encontrá-lo nas músicas.

Dicas de passos
O Karsilama é um ritmo alegre, animado, o que não significa que seja acelerado. Como é mais usado com pandeiros ou meias-luas, é fácil encontrar movimentos comuns ao uso destes acessórios, como as batidas de quadril, ombro, giros e até shimies para os momentos mais acelerados. Agora que você já conhece alguns passos, veja a performance da bailarina Saida, em DVD instrutivo lançado com Mario Kirlis em 2007.

Veja + Ritmos aqui

Vals

18 out

Se você leu o nome deste ritmo e pensou nas tradicionais valsas, acertou. O vals (valsa, valz, yuruk sammai, turk samaai sari, al vals ou swat khaliji) é um ritmo cuja origem pode ser da Grécia ou da Turquia.

Características
O vals parece mesmo uma valsa ocidental e costuma aparecer em músicas clássicas e modernas. Sua prinicipal característica é a contagem de tempo em número ímpar.

Composição
É um ritmo 3/4 que tem apenas um DUM inicial. Puro, ele aparece assim DUM TA TA, mas como todo ritmo, pode ser tocado floreado: DUM KATA KATAKA.

Como treinar
Mesmo esquema de todos os ritmos. Segure os snujs, com uma mão, toque o dum e com a outra o TA. Se quiser tocá-lo floreado, deixe o DUM para tocar com as duas mãos e os TA e os KA, bata com uma mão de cada vez.  Como é um ritmo 3/4, fique atenta à pausa dele. Ouça o ritmo puro abaixo.

Retirado do Cd de Ritmos Mario Kirlis Vol 2

Dica de passos
Ótimo ritmo para entradas de músicas clássicas. Use e abuse de deslocamentos como andadas, passeio no bosque e chassés. Busque todas as referências clássicas da dança do ventre e coloque neste ritmo.

Se quiser, véu é muito benvindo e fica um charme. Não esqueça da postura impecável e a expressão deve ir de acordo com a música. Deixe-se levar por este ritmo e pense nos grandes casais que dançam a valsa nos concursos de dança de salão.

Veja + Ritmos aqui

%d blogueiros gostam disto: