Tag Archives: duas espadas

Angeles Cayunao

28 out

Angeles Cayunao é argentina e teve desde cedo aulas com grandes mestres como Amir Thaleb. Assim como a maioria das bailarinas do país latino americano, Angeles possui um estilo bem extravagante. Dona de coreografias acrobáticas como aquela com duas espadas ou com wings, já vistas aqui no blog, ela é conhecida por seu glamour.

Angeles ministra aulas em sua academia chamada “Academia Integral de Danças Do Sul” e atualmente possui mais de 350 alunas. Além disso, é jurada internacional em diversos concursos pela América Latina como no Chile, México, Uruguai, Brasil dentre outros países. Sem contar as viagens mundo a fora para se aperfeiçoar com os egípcios Raqia Hassan e Doaa Sallam, as brasileiras Amara Saddeh, Isis, Lunah e Anthar e espanhola Samira Hayek.

Junto com Mario Kirlis, no grupo Balé das Noites Árabes, viajou pelos continentes em workshop e shows. Com sua atual companhia, também se apresenta pelos países apaixonados pela dança do ventre. Assista ao ensaio de uma rumba que ela dançou em São Paulo.

Suas roupas são muito trabalhadas, usa coroas ora de strass ora de penas, sempre muito coloridas e com belos decotes. As fendas são as marcas registradas desta bailarina. Todos seus movimentos são grandes e bem marcados e ela costuma dançar músicas modernas e muitas vezes em companhia com seu grupo de dança. Nota-se algumas influências do jazz em sua dança bem como o show business da dança do ventre (acessórios e roupas exageradas, músicas modernas e com batidas fortes e até acrobacias).

Assista abaixo uma apresentação dela na Argentina. Ela dançou essa mesma coreografia em São Paulo há uns 3 anos pela escola Luxor.

Se quiser conhecer mais sobre esta bailarina, acesse o site dela em espanhol: http://www.angelescayunao.com

Veja + Bailarinas aqui

A dança da espada

21 jul

Dizem que a dança da espada surgiu como uma forma simbólica de libertação das mulheres, que em diversos contextos históricos, foram subjulgadas pelos homens. Assim, elas começaram a dançar com estas armas de guerra, símbolos da violência e do poder com movimentos sinuosos, delicados e com equilíbrio, mostrando total controle do objeto. A lição de moral é muito bela e representativa: “Você controla a minha vida, mas não o meu espírito.”

Outra versão, indica que a dança é uma homenagem à deusa egípcia Neit, considerada protetora, caçadora, guerreira e que abria caminhos. Outras afirmam que as mulheres tomavam as espadas dos guerreiros e guardas no final da guerra e equilibravam no seu corpo para demonstrar que eram melhores como acessórios do que como armas.

Há também quem diga que elas dançavam assim como uma espécie de agradecimento ou celebração da vitória na guerra. Neste sentido, a dança reflete a luta dos árabes pela terra. Por fim, outra lenda conta que elas precisavam demonstrar habilidades para seus reis. Independente da origem, esta da dança demonstra habilidade, técnica de dissociação perfeita e total controle do corpo – ou como propõe a primeira lenda, do espírito- da bailarina.

A espada
A espada pode ser de diversos materiais e ter vários pesos. Em geral, são prateadas. As egípcias e argentinas são mais pesadas e possuem desenhos e ornamentos tanto no cabo quanto no metal. Aqui no Brasil, você encontra também as opções em inox, com menos detalhes e muito mais leves. Para motivos ilustrativos, você pode comparar as diferenças de forma e modelos das espadas em sites como este.

Você pode escolher entre espadas com chanfradura, lixa ou parafina no chamado ponto de equilíbrio, região na qual você deve equilibrar a espada. O cabo pode ser em metal, madeira ou com acabamento em couro. Cuidado com as lixas, que podem quebrar todo o seu cabelo, ainda mais se você tiver dificuldade de equilibrá-la. Uma espada boa pode variar de 100 a 300 reais.

Dança com espada
A bailarina pode usar a espada para fazer poses ou equilibrá-la na cabeça, mãos, cintura, abdômen, ombro, coxa, pés e onde mais a sua imaginação deixar. É utilizada em músicas lentas, por isso, é comum ver oitos, redondos e outros movimentos sinuosos como os camelos e ondulações durante a apresentação. Porém, é comum ser usada em danças de chão e em derbakes, com shimis e marcações. Nos deslocamentos, é usada principalmente com giros.

No vídeo abaixo, você pode ver na prática como é a dança da bailarina Carlla Silveira, que faz uma graciosa apresentação em Aracajú. Na nossa conta do Youtube, você também pode ver a argentina Angeles Cayunao dançando com duas espadas e a brasileira Lili Zahira dançando no Dunas bar.

A necessidade de provar o controle da espada fez com que, recentemente, algumas apresentações fiquem parecidas com espetáculos circences, com pouca dança. E você, gosta das apresentações com acrobacias? Ou prefere com mais passos de dança?

Veja + Acessórios
Dança do pandeiro
A delicadeza das tacinhas
Dança do Jarro
Bengala ou bastão
Os snujs
Véu

%d blogueiros gostam disto: