Tag Archives: bellydance

Videoteca: Vintage bellydance

15 jul

Pois é, meninas

Neste mundo da dança do ventre tem de tudo. E nosso papel aqui nesta coluna não é acusar ou elogiar ninguém, mas ajudar a circular tudo o que rola por aí. Depois da videoteca puxada para o folclore, com uma apresentação de Hagalla, selecionamos uma fusão, bem moderna.

Trata-se de uma dança do ventre vintage. As roupas, maquiagem e movimentos lembram muito da dança tribal moderna. Porém, os tons são claros, há babadinhos na saia e, claro, a presença da sombrinha.

A performance de Haalima aconteceu no Tribal Fest Budapest, em 2010. E aí, gostaram? O que acham dessa variedade de fusões?

Videoteca: derbacke com sapateado

10 jun
O mundo das fusões na dança do ventre praticamente não tem limites. Você já pensou em misturar sapateado com dança do ventre? Pois é, a bailarina Shahdana e os dançarinos The Lombard Twins não só pensaram nisso como optaram pelo derbacke. Não é muito difícil de imaginar como isso surgiu, afinal, a trajetória da moça começou com danças diversas, como hip hop e jazz. Os argentinos começaram a carreira inspirados por Michael Jackson e daí para frente foram para a televisão, mas foi em Nova Iorque que se especializaram no sapateado (Tap Dance).
Prato cheio para quem curte conhecer novas fusões, o vídeo da semana mostra os rapazes caprichando no “derbacke”, enquanto Shahdana faz passinhos que todas nós conhecemos. Batidas de peito e de quadril, camelo, ondulações e muitos shimmies fazem parte da apresentação. Existem outras fusões, especialmente em grupo que usam músicas como acompanhamento, já aqui os irmãos Martin e Facundo preferem deixar tudo por conta deles próprios.
Agora passamos a bola para vocês. O que acharam da mistura? Ficou legal ou não? Já conheciam?
Veja + Videoteca aqui
Veja + Fusões aqui

Nesrin Topkapi

17 mar

No vídeo acima, vemos a bailarina Nesrin Topkapi. Antes mesmo de completar 6 anos, esta turca iniciou seus estudos com balé clássico em uma escola dirigida por Madame Olga.

Em 1966, foi para Inglaterra e lá dançou por oito anos em um local conhecido por Topkapi. Foi daqui que surgiu o sobrenome dela.

Em 1974, voltou para Istambul e começou a trabalhar no cassino Maksim em um espetáculo realizado em homenagem ao Reza Pahlavi. Ela dançava e cantava e saiu em turnê pela Turquia por um período de três anos.

Em 1982 a dança do ventre já fazia parte desta bailarina. Não encontramos muitos registros de como ela começou, mas sabemos que em 1986 ela já tinha seu estúdio de dança, balé e musculação, chamado Sibel Danças.

Como a dança do ventre era ainda um tabu, ela ensinava para os alemães que visitavam o país. Ela chocou o mundo com suas apresentações na televisão nesta época tão dura.

No vídeo abaixo já podemos notar algumas características desta bailarina. Suas roupas nunca mostram a barriga, pode até aparecer um pouco, mas é sempre algo discreto. Além disso, geralmente impera uma cor só.

Neste caso é o amarelo que aparece como dourado, amarelo puro e até alaranjado. Seus cabelos costumam ficar presos e as saias mais rodadas. E, é claro, sempre no salto alto.

Os passos são bem leves, mas aparecem sem o menor esforço. Sua expressão é delicada e vemos que ela conhece muito bem a música enquanto dança.

Ao contrário das argentinas, não marca muito os famosos toque árabes deixando a assim a sua dança mais contínua. A fusão com o balé aparece tão suave que pode passar até desapercebido para quem nunca ouviu falar desta fusão.

Os braços são bem alongados e a postura típica das bailarinas desta região. E a música é clássica e daquelas longas…bem normais para a época de seu auge na dança do ventre.

Nersin não parou por aqui. Participou de vários grupos como coreógrafa e professora e já lecionou em universidades.

Conquistou o mundo com seu jeitinho sutil, elegante e emotivo de dançar. Assista a uma apresentação de folclore:

Atualmente ela cuida do centro de dança chamado Dancetrum, onde há aulas de dança do ventre, flamengo, tango argentino, pilates, danças gregas dentre outra modalidades e conta com 1400 alunos matriculados.

E quem pensa que ela parou de se apresentar, está enganado. Encontramos dois vídeos recentes dela. Confiram.

Este aqui faz parte de um programa de televisão.

Quer ver mais? Clique na foto dela:

Veja + Bailarinas aqui

%d blogueiros gostam disto: