Tag Archives: batidas

Wahda wa noz

16 ago

Ritmo lembra o andar de um camelo

Wahda wa noz também é chamado de Wahda we noss, Wahda wa nos,  Wahd we noss e Wahd wa noss.  São diversas formas de nomeiá-lo, mas em português, significa “um e meio”.  Este ritmo originou-se na Líbia e lembra o caminhar de um camelo.

Características
Recebeu este nome porque tem uma marcação forte no início.  No meio das batidas, é possível acrescentar floreios.

Quando é tocado, lembra o andar sinuoso do camelo e é geralmente relacionado à dança da serpente, por causa dos movimentos sinuosos que pede.

Alguns músicos dizem que o Wahda wa noz egípcio corresponde ao Chiftetelli turco e grego, mas com uma certa variação.

Composição
Possui compasso 8/4. E aparece assim DUM TAKA TAKA DUM DUM TA, na sua forma mais simples, mas no meio das batidas é possível florear bastante. Por isso, muitas pessoas o confundem com ritmo Chiftetelli, que foi ao ar na semana passada.

Wahda wa noz floreado: DUM TAKA TAKATA TAKA DUM TAKA DUM TAKATA.

Nesta variação, o acento forte aparece no primeiro, quinto, sexto e sétimo compasso. Geralmente, o terceiro é uma pausa que não é marcada pela bailarina.

Existe uma variação do Wahda wa noz, chamada Wahd, metade do ritmo, com composição 4/4.  Fica assim: DUM  DUM TAKA DUM. Percebem como aparece só a parte mais forte do ritmo completo?

Como treinar
É muito difícil encontrar uma bailarina que dance o Wahda wa noz tocando os snujs, mas para treinar este ritmo, bata o DUM com a mão direita, o TA com a esquerda e o KA, com a direita.

Se isso ficar confuso por causa do DUM e o KA na mesma mão, bata os dois snujs para marcar o DUM mais forte e intercale o TA e o KA entre as mãos direita e esquerda.

Geralmente, aprendemos este ritmo marcando- o com o corpo no lugar de usar snjus. Aí vai da criatividade da bailarina para fazer as marcações. A dica é marcar somente os acentos mais fortes.

Dica de passos
O Wahda wa noz costuma aparecer em músicas clássicas e taksins. Mas pode marcar presença em solos de derbake momentos antes de outro ritmo acelerar a dança da bailarina.

Como ele lembra um andar de camelo, aproveite para fazer movimentos sinuosos. Camelos, oitos e pivôs caem perfeitamente. Os braços são muitos usados, ainda mais porque quase toda música escolhida para a dança da serpente, este ritmo aparece.

Por isso, com a cobra ou não, movimente os braços bem sinuosos e delicados.

Se quiser marcar o ritmo, enfatize somente os acentos mais fortes. Você pode, por exemplo, marcar o primeiro DUM, fazer um camelo e marcar os dois DUMs finais. Use a criatividade e lembre-se de manter a introspecção.

Retirado do CD de ritmos do Mario Kirlis vol 2

Veja + Ritmos
Chiftetelli
Falahi
Masmoudi
Jerk
Maksoum
Bolero
Malfuf
Baladi
Ayub
Said

Nagwa Fouad

12 ago

Inovadora, moderna, dedicada e apaixonada são características da egípcia Nagwa Fouad. A bailarina, que começou a carreira na década de 50, continuou em atividade até meados dos anos 90. Aperfeiçoava sua técnica explorando fusões na dança, arte que exercia com tanto carinho.

Filha de um egípcio e uma palestina, nasceu em 1942, em Alexandria, com o nome de Awatef Mohammed El Agamy. Assim como outras bailarinas, começou a carreira no Cairo, para onde se mudou na época em que completou 15 anos para trabalhar como telefonista da Orabi, agência de cinema.

Foi o próprio Orabi quem a incentivou a seguir profissionalmente na dança. Ela começou nas casas pequenas e, no início dos anos 60, já dançava nos famosos Sahara City e Auberge des Pyramides. Nagwa teve uma formação consolidada, fez a Mazloum Dance School e entrou para a National Dance Troupe, grupo folclórico. Assim, conseguiu estudar balé, jazz, dança contemporânea, além de dança egípcia clássica e folclórica. “Peguei o estilo de dança de Tahia Carioca e de Samia Gamal e criei um espetáculo teatral, como uma peça dramática,” afirma a própria bailarina

Sua história também foi marcada pelo cinema (foram mais de 350 participações, veja uma aqui), após ter atuado no filme “Sharei El Hob”. Nesta ocasião, ela dançou a música “Olulu”, de Abdel Halim Hafez.

Na opinião de Hossam Ramzy foi “o mais perto que podemos chegar à demonstração mais natural de uma verdadeira mulher egípcia comum (na melhor definição da palavra comum) que uma jovem poderia fazer. Perfeitamente inocente, cheia de amor, emocionalmente bem expressa, traduzindo todos os pontos da música de forma maravilhosa e retratando o enredo com um desempenho profissional que precisaria ser visto para ser acreditado”. Em outra ocasião, Hossam afirma que chorou de emoção ao ver a moça dançando ao vivo.

Nagwa também reúne outro feito, afinal são poucas as bailarinas que ganharam músicas de homenagem. “Qamar Arbaa-tashar” foi composta sob medida para ela por Mohamed Abdel-Wahab. Outros clássicos também foram feitos para ela. Você se lembra da “Shik-Shak-Shok“? Pois é, esta e outras como Ali Loze, Amar Arbaatasher, El Saidi, Naasa e Mashaael estão na lista.

Em tantos anos de carreira, reuniu muitas pessoas. Sua banda era composta pelos melhores e o grupo chegou a ter 35 músicos, 12 bailarinos, figurinista e coreógrafo. No vídeo abaixo, repare como ela sempre mantém a postura alongada, embora com braços relaxados e como prefere as ondulações como oitos e redondos emendados com pivôs. Apesar disso, quando utiliza batidas prefere fazê-las com muita intensidade.

Quer mais vídeos? Acesse o nosso canal no Youtube.

Veja + Bailarinas
Rachel Brice
Samia Gamal
Amar Gamal
Tahia Carioca
Jillina
Fifi Abdo, a menina baladi
Petite Jamilla
Soraia Zaied

Videoteca – Sadie (Dissociação corporal)

23 jul

Uma das grandes dúvidas da maioria de nós alunas quando iniciamos na dança do ventre é saber se seremos capazes de fazer como a Sadie (em breve biografia no Cadernos): dissociar o corpo. Parece difícil e às vezes chegamos a acreditar que não iremos conseguir. Mas com treino e dedicação, tudo é possível.

Quem quer mostrar que domina cada movimento do corpo geralmente escolhe um derbake ou se aventura pelo tribal, mas saiba que você pode treinar com todos os estilos. Aproveite o vídeo para observar alguns dos movimentos que esta encatadora bailarina americana faz com a maior naturalidade os tremidinhos, camelos abdominais, marcação com peito dentre outros passos.

Veja + videoteca
Amir Thaleb (homens na dança do ventre)
Sonia (derbake)
Romina (improvisação)
O que destacar da música na hora de dançar
Saida (baladi)
Coreografia em grupo
Jillina (pop)

%d blogueiros gostam disto: