Tag Archives: arabesque

Ao mestre com carinho: Saida e Shanan

15 mar

Angeles e Corel já passaram por esta homenagem. Agora é a vez das argentinas Saida e Shanan. Se você é leitora assídua do Cadernos sabe que Saida começou na dança em 1983 e dez anos depois abriu a sua escola. Shanan entrou para a escola em 2000 e dois anos depois se formou como professora, no mesmo ano em que Saida formou o corpo de baile Rakkasah. E é claro que a mocinha também entrou para a trupe.

Estas duas bailarinas possuem características bem parecidas, analise a apresentação acima, que fizeram juntas. Fazem uma dança do ventre mais moderna e no que chamamos de estilo argentino, misturando muito do jazz e do balé clássico com a tradicional dança do ventre. Além disso, ambas possuem uma extrema capacidade de dissociação corporal. Suas coreografias tendem a ter poucas repetições e muitos movimentos em tempos curtos.

Note como ambas usam muita força no quadril, enfatizando as marcações, ao mesmo tempo em que oferecem aos passos de ligação muita leveza, por meio de arabesques com pernas alongadas. Além de tudo, são parecidas fisicamente, se pensarmos na proproção corporal e estilo dos cabelos. As roupas também contribuem para a semelhança. Em geral, evitam uso de franjas e preferem vestuários mais modernos.

Saida já teve aulas Olga Ferri, Ricardo Rivas, Rina Valver e Enrique Lomi, mas seu principal mestre foi Amir Thaleb (isso já daria outro post…). Shanan, por sua vez, já está começando a ter suas pupilas pelo mundo, entre turnês e workshops.

Mas nosso post não pára por aqui. Selecionamos um derbake da mestra Saida e outro da aluna Shanan para você comparar. Apesar da grande semelhança,  não é que cada uma delas tem o seu jeitinho?

Veja + Bailarinas aqui
Veja + Videoteca aqui
Veja + Dicas aqui

Naima Akef

9 set
A carreira da bailarina egípcia Naima Akef já é peculiar desde a infância. Aos quatro anos ela participava dos números do circo da família Akef. Foi treinada para dançar, cantar e fazer trapezismo pelo avô Ismail. Esta formação deu à Naima elasticidade, preparação física e contato com plateias logo cedo. 

Durante uma turnê com o circo, em 1957, Naima participou de uma competição de dança do Teatro Bolshoi. Ela não só venceu o campeonato, como recebeu a honra de ter a sua foto colocada no Hall da fama do famoso balé russo.

Naima passou pela casa de Badia Masabni, mas saiu para ir compor o grupo do Clube Kit Kat (dizem que ela era apreferida de Badia e que saiu por entrar em conflito com as outras bailarinas). Ali conheceu os irmãos Abbas Kamel e Husayn Fawzy, ambos da indústria cinematrográfica. Foram eles que impulsionaram sua carreira como atriz.

Seu primeiro papel foi em “Al-Eish wal-Malh” (1949), primeiro filme egípcio em tecnicolor, dirigido por Husayn, com quem Naima foi casada. A bailarina participou de trinta filmes e, na opinião de Hossam Ramzy, uma de suas participações mais marcantes foi em “Tamia Henna” (1957). Acesse o link e veja a apresentação deste filme com snujs.

A dança de Naima Akef explora muito os oitos seguidos de giros ou redondos grandes. Outro diferencial são os chutinhos, arabesques e pernas altas, no estilo atualmente utilizado pela argentina Saida. Assista a esta sugestão de vídeo e note como ela trabalha as pernas. No vídeo abaixo, trecho de um filme, a bailarina interpreta a famosa Aziza.

Naima passou como uma estrela cadente. Nasceu em 1929, na reginão do delta do Nilo, em Tanta, e sua breve vida acabou aos 37 anos, vítima de um câncer.
Veja + Bailarinas aqui

Bolero

5 jul

O bolero tem origem espanhola e é considerado um ritmo muito romântico e é tido como uma rumba mais lenta. Casais apaixonados costumam se entregar ao amor no meio de uma música que desperta os mais belos sentimentos. Na dança do ventre, foram as argentinas quem incorporaram o bolero. Geralmente este ritmo aparece em partes lentas da música ou até mesmo como base de um taksim.

Composição
Rumba tem composição 2/4 e fica Dum tákátá Ká Tá Ká Dum ká. Já o bolero tem base 4/4, com apenas um DUM, dois TAKA e um TA. Sua composição fica assim: Dum kákáTá kákáTákáTákáDum Ká.

Características
É um ritmo lento que exige da bailarina muita expressividade. Costuma aparecer em músicas clássicas, mas é possível encontrá-lo na mais modernas. Pode ser dançado em casal, com um mix com dança de salão ou solo com alguns passos de jazz misturados aos da dança do ventre.


Como treinar

Não é comum a bailarina tocar este ritmo enquanto dança. Na verdade, ela deve tocar com o corpo e sua expressividade, deixando os snujs para os músicos. Mas se quiser treinar, basta deixar o DUM  na mão direita, ou com as duas mãos para marcar bem, e alternar as mãos entre o TA e o KA. Preste atenção ao tocar o TA. Ele não deve soar como o DUM. Tem que bater de uma maneira diferente para diferenciar o DUM do TA.

Dicas de passos
Deslocamentos, véus, giros e arabesques são perfeitos para quem quer dançar o bolero. Sem contar alguns toques árabes e oscilação corporal acompanhando o ritmo. Se quiser marcar alguma parte do ritmo, fique à vontade, mas o que vale mesmo é a expressão. Deixe a música tomar conta de você.

Escolhemos o Bolero do compositor e músico Mario Kirlis para ser a trilha sonora deste post. A música encontra-se no Cd “Sol Naciente – Mario Kirlis con Amir Thaleb” (2001)

Veja + Ritmos

Malfuf
Ayub
Baladi
Said

%d blogueiros gostam disto: